sábado, 31 de agosto de 2013

soneto da chuva





a chuva cheira à infância
principalmente quando molha
a terra a alma e desenha
no vidro da janela

arabescos mandalas ideogramas
de ar e agua               a chuva
agasalha e acalenta as sementes
as teias os casulos e as crisálidas

a chuva acorda
os insetos os brotos a grama
a chuva acaricia

as arvores e as casas           a chuva
desce e sobe           a chuva
é luz condensada



oasis no cinza das lembranças





praias onde caminho
e caminhante se mesclam
com a areia a agua e a brisa

praias onde coqueiros
são roteiros e refúgio
para o sol e para a sede

praias onde vive
e vivo minha saudade




confiança





não confie em mim    confie
na vida     quem ama o bosque    ama
igualmente as árvores





espiral de mandalas





todas as voltas
-espiral de mandalas-
no fim começam




lembranças sólidas





palavras que fogem
palavras que se escondem
palavras que me escolhem

dança entre os olhos
silêncio das pedras
as vozes na janela

construímos poema e poeta
vitrais do tempo

fractais da aurora:
as lembranças sólidas




eros





na planície da alma
o lobo observa
o voo e as vozes
e caça os detalhes
que deslizam na pele
e desviam na face
obliquamente ao desejo

o lobo observa
-ele próprio um ataque
ele próprio uma arma-
e decide morder a carne
onde a roupa se esconde
e o olhar desguarnece

na planície da alma
ávido e ágil
o lobo observa

e nunca se entrega





cidade universitária






faces da manhã
entre ruas e arvores:
conhecimento




fada





pedaço de luz
borboleta que pousa
-silêncio-             no ar




silencio nas vozes





                           movimentos
                                       movimentam
                                                   parques :

                      silencio
                                nas
                                    vozes




sono e festa





algumas horas
mergulham no sono e
outras na festa




veios e voltas vias





o sol lapida
na luz assimétrica
veios e voltas         vias

onde o invisível
claramente se mostra




mandala e mosaico





o tempo balança
                        dentro do espaço
em espirais que se abrem
                                    e se  fecham
mandala de momentos
                                complementares
mosaico de horas
                        irregulares

o espaço se acomoda
                              dentro do tempo




apelo à pele



                           apelo
                                   à
                                     pele :

         pelúcia
                       pelica
                                   passagem



encontros tropeços e saudade




uma outra luz
nas mesmas ruas        pássaros
vozes          silencio

entrelaçam  encontros
tropeços e saudade




o coração das palavras





não me interessa ser
o mais lido nem
o mais comentado
projeto expressar
sofridamente
a fúria
                a ternura
que dilaceram na alma
- silencio sonoro -

o coração das palavras




nomes carne vapor




                            nomes
                                         repousam
                                                              na
                                                                   carne
               até
                                 evaporarem





duas colunas silencio absoluto





face desfeita
tempo e espaço são
as duas colunas

por onde desliza o
silencio absoluto




vida havida






as flores secas
folhas onde a vida
havida foi-se




entre a leveza e as palavras





viagens pousam
entre a leveza e as palavras
no leque de passeios
enquanto a tarde passa
e desce
           sem pressa
luminosa
            delicada




quinta-feira, 29 de agosto de 2013

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

mandalam



                                    fragmentos
                                                           de
                                                                    saudade

          mandalam
                                                ausencia
                                                                                    completa



                                                                                                                                                                               


risos





risos dourados
ou amarelos ?     a luz
também engana




(noturnos)




                                        medos
                                                          raiva
                                                                        viram
         (noturnos)
                                                 pesadelo
                                                                                        (fantasmas)





ruídos na rua





ruídos na rua
(vento      folhas       passado)
desenham passos




canções de piano confidências de flauta





depois da saudade
deposito nas paredes
um esvaziado retrato
(paredes sem tijolo
e sem palavras)
e no teto onde naufragam
as últimas estrelas
meu silêncio deságua
canções de piano
confidências de flauta




luz cinzenta de agosto





flores que brotam
quase soltas nos galhos
flutuam sozinhas

(anulam folhas) na luz
cinzenta de agosto







olhar aberto






olhares outros
nascem por dentro do seu
olhar aberto








essência insípida dessa trilha apagada





o cheiro de carne
assada
se aproxima e se afasta
dos movimentos que brotam
aleatórios
da essência insípida
dessa trilha apagada




segunda-feira, 26 de agosto de 2013

veios de carícia e sonho





o que a nudez
esconde         o vestido
escancara   :         veios

de carícia e sonho
o ouro da idade




sexta-feira, 23 de agosto de 2013

aborto elétrico

                                                                  para Renato Russo
                                                                                                in memória





monte castelo
velha infância
vento no litoral
da legião urbana
ao simplesmente grande
                                      renato russo
tudo isso não foi
                                      aborto elétrico




um pavilhão de espelhos





quando brigo
é sempre comigo mesmo
principalmente se enfrento
um outro reflexo
neste mundo
(tão vasto e tão pequeno)
um pavilhão de espelhos





lembrança que dói





mesmo não sendo
disfarce
                  estremece
na superfície da face
o tímido detalhe  :
a orfandade do afeto
na solidão indesejada





morena e loura





                                                 na
                                                      saudade
                                                                    morena




                             a
                               ilusão
                                        loura




insatisfação espessa





                                                        desliza
                                                                  no
                                                                     estreito

                                                                                               beco

                          insatisfação

                                                      espessa





lembrança nova





caminho claro
nesta rua que foi minha
lembrança nova




suas garras de gárgula





mesmo com tantas
lágrimas            a viuvez
não desinstala

do coração seus dentes
suas garras de gárgula





sabiá laranja





é o seu canto
que destece meu sono
sabiá laranja




tarde em itapuã





as ondas vinham
até  onde             estando
eu não estava




ilumina a lua cheia





flores noturnas
perfumam a saudade :
dama da noite

dona dessas calçadas
ilumina a lua cheia




quarta-feira, 21 de agosto de 2013

pérolas dormem





pérolas dormem
no casulo da concha :
luz em oclusão




silencio que ainda não falo





ouço meus passos
enquanto passo
enquanto ouço
entre os possíveis
                         passados
meu outro
              silencio
                         este

que ainda não falo





terça-feira, 20 de agosto de 2013

dentro do olhar





dentro do olhar
espelhos que espalham
outros olhares




badulaques




                        nuvens
                                         nivelam
                                                            luminosas
                                                                                  faixas:


    anéis
                        colares






mais coragem do que carma




os dias repetem
sua ladainha  :
carma
               e
                     coragem
no meio da inércia
as sementes germinadas
                                                   ainda são frágeis
mais coragem do que carma






flores raras e banalíssimas





pois são bem raras as flores
que são flores banalíssimas
e assim é o amor           precioso e puro
nas suas mais diversas formas:

amor entre homem e mulher
amor entre dois homens
amor entre duas mulheres
todos os jeitos de amar são válidos

e se amalgamam à grandeza
das almas onde afloram
e nos de coração estreito

por tacanha teologia torta
nestes se lhes falta    (o amor)    propaganda enganosa
um reles ponto de venda




domingo, 18 de agosto de 2013

sonho real





existem sonhos
que mostram como fazer :
demônios não são

demônios       são medo e
raiva          sombras na alma




sábado, 17 de agosto de 2013

chocolate chimarrão





sonho cinzento
sombras no céu perfilam
semanas de frio

agasalho               lareira
chocolate          chimarrão



   

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

república do líbano



                     

                                dosagens

                     da

                                                     voz

denunciam

                                  (opostos)

                                                                 olhares




                                                 

vidas presentes vidas passadas





as máscaras sem uso
desnudam a solidão
paredes de lembranças
andares de saudade

para trás e para frente
o mesmo túnel sem fim
espesso e espiralado
onde a claridade

tece e destece palavras
que o silencio agasalha
delicadamente             agora

as máscaras sem uso
vestem outras faces            vidas
presentes             vidas passadas







pó e fumaça





nos esconderijos
                           da sombra
abutres
             sem asa
absorvem   miasmas :


       e
            fumaça




quinta-feira, 15 de agosto de 2013

vazante das ruas





vazante das ruas
(mesmo com os protestos)
carros              ônibus

disputam o asfalto
dilatam a solidão




sábado, 10 de agosto de 2013

dharma





na mão direita uma flor acesa
na mão esquerda a própria morte
a vida não faz escolha


nós somos a escolha que fazemos
nós fazemos a escolha que somos



pequena prece de fim de ano




nem mais
nem menos
nem mais-ou-menos

para ele
todas as pedras
são preciosas

todas as almas
-sem exceção-
são puras

todas as coisas
-todas elas-
são sagradas

para ele
e um dia
para todos nós




olhar se olha



                                  as palavras tropeçam
                        na chuva que não chove    molhado
                                      o olhar se olha



caracóis da claridade






e nos caracóis
da claridade         poucas
nuvens sorriem




granja julieta





                            passos

            (menina)

                                         loirinhos

continuam

                               na

                                                 balança




partes inteiras da música





olhares passeiam
entre os seus detalhes :
folhas        curvas        luz

frases da brisa        partes
inteiras da música





cemitério dos sonhos





umas e outras nos dedos
da brisa caem
algumas rodopiam
algumas resignadas
                               aceitam
a grama
               o concreto
                                  o asfalto
como seu
                 cemitério dos sonhos




sexta-feira, 9 de agosto de 2013

ocas





na própria face
contornos da ausencia :
lembranças ocas




gotas





chuva sem água :
entre folhas e galhos
são gotas de luz




sussurros de sal e sonho




nenhuma das cores
tinge ou dissolve
esta presença
flores        ondas na janela
sussurros de sal e sonho
cadeiras e coqueiros
nas diversas superfícies
de água e brisa
a saudade se aprofunda
luminosa
              impecável




quintais





atalhos na rua :
dentro da sombra         quintais
feitos de brisa




fachada





jardins suspensos
área útil        aberta
só aos olhares





jardins da morte





abotoam na pele
presenças imaginárias
fantasmas de vênus
                             ou marte
traços indeléveis
                        sublinhando
tudo que já foi
                     mas amadurece
a própria vida
                    nos jardins da morte



 

cacho de lembranças





pequenas sombras
desenham nas calçadas
recifes         ondas

vales       nuvens       montanha
um cacho de lembranças



alma nua





                                            véus
                    (quando
                              escondem)
                                                       revelam:
                                                                             alma
                                                                               nua




olhares 1


                              

                                   ando na chuva
                                  e volto molhado
                                     de infância



luazinha





fiquei te olhando
quando acordei
você ainda estava dormindo
pálida
palidamente
sem gestos
quase sem malícia

(você
que já não é mais inocente)

fiquei te olhando
como quem namora a lua
mas estava tão perto
que se mergulhasse
alcançaria teu corpo
talvez teus sonhos

neste momento você sorriu
deixou nos meus dedos
restos de sono

continuei te olhando
feito bobo
enquanto você sorria
sorria
sorria

agora somente com os olhos



ecos




                                        o silêncio é                               
                                  uma rua bem pequena
                                     entre as grandes

                                     avenidas repletas
                                    de ecos e palavras



verbo





nomes atravessam a noite
são estrelas
são perfume
são carne

iluminam
a própria pele
a própria substancia
que se dissolve

mudam de som
para silencio
mudam conteúdo
e forma

mas seguem
eternos
assim:
nomes
              verbo
                           palavra



perdas





nem sempre umedece
a folha da face
                      mas
as raízes do sonho
                           crescem
no escuro das palavras
                                 e a poesia
se debruça
               se deita
                            e se espalha

nas pedras- e perdas- da alma




móbiles






 penduradas


                                   na


                                                        aurora




                   nuvens


                              são 
 

       móbiles 






construindo mozart





                                   violinos
               
                   abraçam

                                               o

                                                                piano

                                                                                construindo

                                                                                       mozart






faces na face





faces na face
na pele se decanta
toda idade




quinta-feira, 8 de agosto de 2013

suas cores





a manhã transborda no quarto
cada silencio
                   que dormia
                                     desperta
os peixes flutuam
                           aquário
                                       suas cores
no espaço onde há pouco
só a penumbra
                       e os sonhos
                                          se espalhavam




             

silencio da palavra





o silencio da  palavra
impregna pulmões e pele
não
     não pergunte nada
respire
           e se deite
entre os espinhos
                          e a pétala

nunca mais saia de casa




soneto sob o sol





de onde venho não vem
este silencio dentro da risada
esta escuridão que ilumina
as estrelas durante o meio-dia

de onde venho não vem
palavras que não ouço mas falo
vivencias que não tive mas vivem
em mim outra pele outra identidade

de onde venho não vem
o que se esconde na claridade e constrói
uma ponte sobre o abismo que separa

o sonho (real) e realidade (sonhada)
pois de onde venho só vem um olhar
que meus olhos abraçam e dilata minha alma






mesas na calçada





quando acordam
eles se deitam
na saudade
e agora bebem
e se esquecem
e se escondem
atrás da alegria inflável

suas vozes
me confundem
me atordoam
e suas risadas

doem na minha alma 





vozes





vozes gotejam
no dorso das horas
deslizam
entre a face e a faca
e perfumam a saudade

antes que a amargura transborde




amigos distantes






                                   as folhas caíram
                                  a arvore se veste
                               com a minha saudade




quarta-feira, 7 de agosto de 2013

espirais





ouvir esculpe
no coração      igrejas
espirais de luz



curva dos passos





avançam na luz
vestindo preto       despindo
às cegas           a curva

dos passos         desejo oblíquo
na tarde azul e seca




espumas e estrelas





da tarde escura
à noite clara        vestígios
do dia ocultam

estrelas perdidas
espumas inacabadas




desenho das arvores





os cheiros desbotam
este calor de inverno
o desenho das arvores
esconde nos edifícios
a menor parte
do que já foi uma cidade

de vidro e pedra




flores altas





as flores altas
alongam os olhares
(nuvens secaram)




martelo





                                                 martelo

              (claridade
                               dilacerada)

                                                                             turvando
                                                                                           o
                                                                               silencio




terça-feira, 6 de agosto de 2013

cumbica





só adormece
nas asas e hélices
a luz natural

postes       faróis       lanternas
acendem toda pressa





estrela estragada





sinal fechado
(a pé
        nunca de carro)
mas eu atravesso

verde:
             eu respeito
vermelho:
                  eu ataco





conde de porto alegre





                                                  sombras
                                 velozes


                                                                                    penumbra


             (sozinho
                         na
                            rua)




berlusconi e lula





símbolos do pior
berlusconi e lula
jogam no lixo

o legado de roma
a luz de rui barbosa





autorretrato





vivo no fogo
e dentro da palavra :
todo coração




segunda-feira, 5 de agosto de 2013

crise dos nomes





enquanto flores
                        afirme
a frágil saudade
                        a crise
dos nomes
                 dura
até a noite
                e depois
do primeiro orgasmo
                                 passa




terapia de casal





              sorrisos
                                         
                                           são
                                                eficientes
                                                              armas


                                                                                       (lágrimas
                                                                                                perdidas)




superfície





vestindo a rua
a arvore se despe
voltam as nuvens




axioma



não procure   não espere   apenas faça
a sua parte sem exigir
a não ser de si próprio
que ela seja perfeita


não aguarde dos outros nada
além do silencio e de um olhar
agradecido de vez em quando
se possível nem isso aguarde

jamais prometa coisa alguma    nem faça
com que lhe prometam   o que não se cumpre
dói nas duas partes


tudo o que se move ou que está parado
é provisório          eterno é o que passa
o que fica é somente tédio



folha na face




a folha quase um galho
toca minha face
como as agulhas ela conhece
o ponto da carícia
o meridiano da saudade

e sendo vento e arvore
ela aquece ela queima ela derrete
o metal da fome
o frio que atravessa a pele
a terra que estremece a terra

onde tudo nasce
onde tudo morre

a folha que é minha outra face




domingo, 4 de agosto de 2013

vivo no fogo





vivo no fogo
o pensar desabrocha
ações e asas





espinhos da luz





                            nos olhos claros
                            a tristeza escura:
                             espinhos da luz




cansada




descem palavras
(vento antes da chuva)
na luz cansada



galos





               vozes

                                        espetam
                                                     a
                                                       luz:

                                                                        galos
                                                                                amanhecem




poesia e olhares





despir imagens
desta nudez imposta
alheia     imprópria

e vesti-las com alma
poesia e olhares





sábado, 3 de agosto de 2013

arvore no ar





folhas se soltam
brincam de cair na brisa
e de ser assim

arvore em pleno ar
depois        no chão      se perdem




segurança no bosque





                                uniformes

mas
      as
          arvores
                                      todas
                                                           diferem



                                                                  

ibirapuera





camadas de silencio
repercutem patins
                           bicicletas
                                         arvores
pessoas correndo
                           caminhando
simplicidade da vida
no espaço aberto

das coisas claras




lago dos olhares





cabelos     vozes
dividem claridade
brinquedos     passeio

o lago dos olhares
ocupam       luz do parque




aurora e crepúsculo juntos





um dos que possui
a antiga chave do mundo
me diz abafadamente     :

o silencio fermenta a palavra
as trevas vestem a luz

mas quando ela fica nua
fica tão linda quanto
a aurora e o crepúsculo juntos
dançando lado a lado

então o próprio obscuro
me diz de forma clara   :

as trevas fermentam a palavra
o silencio veste a luz

e assim ela fica completa
tão resplandescente quanto
o sol exalando
seu sorriso na claridade absoluta




sexta-feira, 2 de agosto de 2013

amálgama





não é uma pergunta que vem nos seus olhos
não é um desafio          não é uma resposta
(quem é que me olha quando você me olha?)
e o que acontece não é uma promessa


meus dedos colhem o que não é pétala
pressagio na pele        sonho acordado
meus dedos sabem o indecifrável      seus olhos
tocam meus dedos      tocam meus lábios


(você me olha quando não me olha
no seu olhar meus olhos viajam)
beija-me a alma     beijo o que não é corpo


em nossa pele passam as palavras
tecem as carícias o roteiro da entrega
doce mistura de fogo e água





labirinto de édipo catacumbas de jocasta





se o amor frequenta
as casas suspeitas
mulheres de má fama
levam crianças e velhos
(machos envergonhados)
                                      no colo
enquanto profetas
                            e  patriarcas
(padres pedófilos
                            e pastores endemoniados)
brincam de esconde-esconde

no labirinto de édipo
                                nas catacumbas de jocasta




                   

trevas





                                            ausencia

                                                 de

                                                     luz :


                                                                           excesso

                                                                                 de

                                                                         medo




paralelas





carinhos cruzam
paralelas no gesto
e se abraçam




fendas






                                              feridas

                                                          na

                                                                voz


            fragmentam

                                   as

                                            palavras




imóvel velocidade





de repente
                 o tempo estaciona
na rápida   eternidade
dois segundos           milênios
entre sorriso e lágrima
vidas  e  mortes
                        entrelaçadas
descansam
na velocidade imóvel
deste momento



                   

lambe-lambe





                                                          retratos

              aprisionam
                               a
                                   alma


                                                                                          no
                                                                                                passado




moema





                                                folhas
                                                          iluminadas

         parecem
                       asas

                                                                                    na
                                                                                         rua




céu dos teus sonhos





enquanto fenece
a tarde veloz
caminhas para dentro
da noite que habita

o céu dos teus sonhos



lágrimas transparentes





os olhos
             aprofundam a face
onde
        se mergulha distante

no azul da saudade
                              nas lágrimas transparentes




cinquenta tons de cinza




imitam luzes
cinquenta tons de cinza
e quando falam

da flor        murcham palavras
e ressecam a alma



sem escalas




                        todos
                                   os
                                        voos

                              pousam
                                         no
                                              silencio




cerne dos olhares



a minima face
desobedece
as pautas da posse
e se esquiva
obliqua
aos ditames da ordem

livre demais
                para ser minha
livre demais
                para ser dela

fulgura
          indefinidamente

no cerne dos olhares


amada




não seja a visão que se extingue
incêndio na pele que antecede o inverno
crepúsculo que não pode ser recordado
e que nunca mais se repete


não seja o instante único um vislumbre
claridade que cega luz que confunde
e faz com que os outros dias sejam mais iguais
mais comuns e mais insuportáveis


não seja a sem substancia o voo apenas
a insustentável falta de gravidade e de prumo
neste mundo tão nítido e tão pesado


não seja nada disso que não possa
ficar comigo não na minha alma mas na minha carne
no meu coração como uma chama eternamente viva




quinta-feira, 1 de agosto de 2013

clones fakes avatares




a lápis
          e lapsos
esboços esbarram
                             em gestos
                                             olhares
e inventam vozes
                          fases
                                   lugares

onde somos outro



jasmim




                                          respiro
                                                     jasmim



mas
      não
            lhe
                 vejo




sol de inverno




sonhos antigos
voam entre os pássaros
medos e sombras

dançam nas pedras         dentro
deste sol de inverno




plástico e alegria




nas mãozinhas frágeis
poderia ser o mundo
esta bola azul

de alegria e plástico
colorindo o parque


atalhos no encanto




olhos desaguam
(refluxo dos olhares)
no lugar-comum

mas o coração refaz
atalhos no encanto



bandeiras





transborda no poema
o sumo dos protestos :


os fins
         nunca justificam os meios


lugar de mensaleiro
                         é na cadeia
                                        não na comissão de ética

o ministério público
                         e a imprensa livre
                                                não podem ser amordaçados


as minorias que pensam
                               e sofrem preconceito
dispensam
              esse pastor de ovelhas
                                             obtusas e resignadas





faces




no teu corpo
há duas noites: uma
é secreta     a outra
é invisível
teu corpo é a terceira


face da moeda





prece




esta
é uma hora de silencio
de muito silencio
meu coração já não tem mais perguntas
ele apenas te ouve
o menor movimento que fazes
me faz tremer todo
eu sou frágil senhor
eu sou muito frágil
mas
se for necessário
quebra-me completamente


saberei começar de novo