sábado, 28 de setembro de 2013

outro





no meu corpo
há um corpo
que não é meu
mas sou eu mesmo
como a luz é sempre
a luz para os outros

este corpo
é a sombra do meu corpo
e eu sou o meu próprio sonho




passado





menina morta
sonhos mortos e roupas
molhadas no chão




mãos olhares





                                        mãos
                                                que
                                                visualizam

                            olhares
                                 que
                                      apalpam




poesia e palavras





a poesia
não precisa de palavras
as palavras é que precisam
da poesia que se escreve nelas

a poesia é a palavra que não precisa ser escrita




alforria





pássaros são flores
nas janelas onde cantam
coração sem grades




uma sala no escuro





uma sala no escuro
fica iluminada pelo silencio
a vida não está
nem dentro nem fora

uma sala no escuro
respira suas formas
de nudez sem as vozes
enquanto fogo se revela

uma sala no escuro
tem cadeiras que abraçam
e paredes que se movem

uma sala no escuro
da janela prepara
o salto         mas não salta





sanctum





o último ruído
caiu no chão
ficaram seus fractais
seus inteiros pedaços

estou no silencio
que está em mim




real





qualquer sonho
                     é um sonho
no corpo
           que também é
                             um sonho

só é real o silencio




avatares





                         arvores
                                         são
                                                    avatares

                                        consagrando
                                                                       o
                                                                                    asfalto




ilha arquipélagos


 


                                  solidão
                                            parece
                                                 ilha
                                  amar
                                         refaz
                                         arquipélagos








silencio na pele





o silencio
vai ficando na pele
minha pele vai ficando silencio
cada vez mais leve
cada vez mais doce
eu vou deixando de ser
o meu centro
e dentro de mim

vou descobrindo os outros





luto : naufrágio






                             flores
                                     ferem
                             toda
                                    alma 


                                              luto:
                                                    naufrágio





perfume presença





                          cheiro
                          tua
                                    ausência

                                                     floresces
                                                                  na
                                                                  lembrança




parede cidade poema





uma parede se faz de gestos e vozes
cada tijolo de pele
cada janela de corpos

uma cidade se faz da solidão das flores
rua de sonhos                       avenida
de pedras que dormem

e o poema se faz da ausência
da felicidade triste de cada aurora
e da morte que nasce em cada homem





gritos no céu





                                                      gritos


                                                           no


                                                      céu




                      antenas
                                                    invejam
                                                                               estrelas




a música das palavras





as palavras fogem pela boca
e no papel onde mergulham
o silencio é a qualidade que perdem
e perdem seu brilho próprio

(falando pouco e ouvindo
com os olhos e  com o coração aberto
fazemos as palavras serem gestos
e serem voo e brisa e brilharem)

as palavras se aderem se entretecem
e nessa malha espessa impedem
que a claridade passe :

não brilham nem deixam os outros brilharem
e então o amor com a leveza dos seus dedos
desata os nós e recompõe a música das palavras




o amor nos cartazes





dos muitos gritos
desta cidade vamos
rasgar a seda

dos disfarces         e ouvir
o amor nos cartazes





a primeira namorada






a primeira namorada é a última noticia
o tempo é uma nodoa na roupa         uma flor murcha
são as crianças que inventam o futuro
brincando de cinderela e esconde-esconde
meu nome não cabe no meu corpo
não sei o meu nome
amanhece na cama arrumada
e os lençóis estão limpos
a vida está limpa
mas os meus cabelos que caem
junto com a poeira no ar os pensamentos e as palavras
impedem que a luz nasça a partir do chão

a primeira namorada sai cavalgando a aurora
e eu fico sozinho com meus sonhos
e com o piano que eu não toco desde menino






escuros no escuro





teus olhos brincam
escuros no escuro
(tão claramente)

e neles amanhece
meu olhar de criança





cartão postal






                     silencio
                     que
                          desliza
                                   sob
                                        a
                                          lua





18 de maio de 1985 , Manicômio Judiciário do Estado da Bahia





 A melancia é alegre no prato de metal.O dia,o vento frio,o hospital doente.
     Leva meu coração aonde houver conflito,aonde faltar o encontro,a palavra silenciosa e aquele sorriso que acalenta o sonho mais frágil e mais bonito. Para que a vida seja esta confiança na luz que nem sempre é visível ,esta entrega ao que não murchou de velhice e é desconhecido e novo - totalmente em unidade com todos os efeitos e com todas as causas.
      Os talheres,depois de lavados,brilham.
      O trabalho acontece sem esforço e , quando é feito com amor,é fácil,muito fácil;apesar do cansaço e dos distúrbios que se esgotam na superfície.





piano cítara flauta doce





seu corpo é uma viagem de luz
branco decompõe todas as cores
e é tecido de vários sons :
piano cítara flauta doce

é nele que me descubro
em sua pele se escondem
cada uma das minhas identidades
e amo o cheiro o gosto o contato

formas de meu silencio
onde escrevo ternuras
e me inscrevo náufrago

a desfazer solidão e retratos
até reencontrar meu olhar
dentro dos seus olhos





terça-feira, 24 de setembro de 2013

velhas sementes





esta saudade
que os galhos encobrem
nuvens escondem

no céu a primavera
somos velhas sementes




oração maniqueísta





no escuro sem armas
suporto minha própria sombra
aceito minha condição de filho pródigo
a maldade que vive em mim
caminha comigo de volta
lado a lado com o anjo
sob a proteção do cristo
até a casa do pai











P.S. :O Maniqueísmo vem sendo deturpado desde o século 18,principalmente nos dois últimos(19 e 20),sob a égide do materialismo estreito e do racionalismo reducionista.A Sublime Doutrina desenvolvida nos primeiros séculos cristãos pelo Grande Iniciado Maniqueu(cuja nova encarnação está bem próxima) não é dualista e não vê o Mal com autonomia própria e visa a Redenção do Mal(os Filhos Pródigos) e se resume na máxima:"Ame bem o Mal".A meu ver é a versão mais nobre do Cristinianismo Primitivo,reencarnacionista,esotérico e diserarquizado.





segunda-feira, 23 de setembro de 2013

água menos triste





porque me pedes
água menos triste
delicada realidade
seda e orvalho

porque me pedes
não o presente a presença
coração lúcido
alma desarmada

porque me pedes
o que também preciso
verdade que ama

amor com asas
fragilidade tão forte
nudez das palavras




ouro vegetal





                                                rua
                                                     florescida
                                                ipê
                                                     irradia
                                                ouro
                                                       vegetal



 

domingo, 22 de setembro de 2013

flores tímidas





chegou cinzenta
com suas flores tímidas
dentro da chuva




(primavera)





                                       passarinhos
                                                         bebem


              (primavera)

                                                         restos
                                                                  de
                                                                      chuva



corpo da luz que dorme





redes de sonhar
filtram ternura         pulsam
(entre olhares

à margem dos gestos)        no
corpo da luz que dorme




oculto na luz




oculto na luz
o vento só existe
quando se move





à flor da noite





a luz desmaia
as cores adormecem
à flor da noite




esboço





                                cabelos
                              emolduram
                                olhares


                     as
                                pernas
                                               sonham




sexta-feira, 20 de setembro de 2013

primeiro soneto





entre deixe no cabide
sua tristeza     suas verdades
a cama é larga
e eu não mordo           dizem



que sou manso e me acomodo
no seu sorriso quando
você olha para o lado
e vai às nuvens    e meus braços



são frágeis como berço
(você sonhou que eu era seu filho
e não disse que me amava)


ontem eu que não fumo
senti falta de um cigarro:
seus lábios assim de tarde




nascente que nasce





                                  água na água
                              azul que aprofunda
                                  rio do orvalho

                               oceano da chuva
                              nascente que nasce





anjo escada





anjo      escada
agora se confundem
já não brigo mais

com pernas e palavras
apenas subo        caindo











Inspirado no filme "Alucinações do Passado"(1990,originalmente "Jacob's Ladder" ) que se embasa no relato bíblico da luta de Jacó com o Anjo para subir a Escada que leva até o céu.

nudez lágrimas





                                  nudez
                                        que
                                          esconde


        lágrimas
        no
           coração





quinta-feira, 19 de setembro de 2013

citações





o nome da rosa
emperra o sorriso
gritos sussurros homens
que odeiam as mulheres
                                   mulheres
que correm com os lobos
por quem os sinos dobram
pois é suave a noite
preciosa
            entre dois amores
em busca do tempo perdido
onde a voz do silencio
é o oceano
             no fim do caminho
no fluxo dos sonhos
                            de akira kurosawa



   

luzes vorazes nuvens tatuadas





luzes vorazes
fazem barulho na rua
e reverbera

o silencio áspero
sob nuvens tatuadas




luz tímida





pequenas gotas
de leve carícia        luz
tímida no ar




pura música





vozes ocultas
sussurram luminosas
pura música




flores na chuva





arvores na rua
soluçam folhas       choram
flores na chuva




profundidade rasa





nadam na alma
camadas liquidas e
na voz sólida

indícios da próxima
profundidade rasa




belladona





                                         claridade
                                                 que 
                                            adoece

                       nas
                                           pupilas
                                                             dilatadas




claro trajeto da palavra





cheiros na pele
atravessam a alma:
lembranças leves

saudade forte        claro
trajeto da palavra




portal




                             vento
                                        na
                                          palavra :
              (silencio)
                                                              poesia
                                                                 escancarada



a mesma face





para fora da vida
                          para dentro da morte
fulgura
        a mesma face
daquele que fala
                       a primeira palavra
daquele que vive
                       o último silencio
daquele que desenha
                             o tempo

e sustenta a eternidade




ahimsa




o lugar da raiva
é ao lado do silencio :
a natureza do fogo
e a natureza da pedra
germinando a ação precisa
sem desvio
              sem alarde
                           e sem violência
para redimir o erro
transbordando justiça




inusitado





                                           inusitado:



           entre
                      detritos


                                                   flor
                                                        branca
                                                                            orvalho



sono




eles falam
             sim
                 eles falam
mas as palavras são outras
                                      ouro sem máteria
                            éter
                                            luz pura
sim
    os anjos falam
mas 
     o espirito
                  em quase todos nós
                                                 ainda dorme





nadar na secura




                                       nadar
                               na
                                                   secura :


                piscina
                de
                     sol





inverno?





aquece a luz
precoce verão no fim
desse inverno




profunda superfície





mergulho raso
na profunda superfície
da luz na pele




domingo, 15 de setembro de 2013

sábado, 14 de setembro de 2013

salada síria



                                                      tem
                                                             armas
                                                                        a
                                                                              paz?



                  salada
                                     síria






pés no riacho

                                                   "...eu pus os meus pés no riacho
                                                          e acho que nunca os tirei
                                                               sol ainda brilha na estrada
                                                                    que eu nunca passei..."
                                                                               Força Estranha-Caetano Veloso







                                               

as ruas podem ser
as mesmas e também são
outras agora

mudamos        tudo todos
sendo sempre quem somos



alfabeto da amorosa resposta





as vozes se movem
no coração do silencio
que nunca se cala
e seres e coisas que não falam
                                        falam
na linguagem viva da procura
                                    e da espera
no alfabeto da amorosa
                              resposta
a toda e qualquer pergunta




canção luminosa





                         claridade
                                     da
                                       voz :


             nítida
                                     canção
                                           luminosa




palavras voláteis




                                      nuvens
                                                   falam



                      (algodão
                                   silencio)
                                                   palavras
                                                                   voláteis




ritual de limpeza





tênue filete
perfume e presença
acende no ar

um caminho sagrado
ritual de limpeza




novo sabor de pizza




            torço à distância e sem jeito
            que a justiça enxergue
            e o supremo não se apequene
            para que o mensalão não se torne
            o mais novo sabor de pizza
            a sair quentinha
            do forno das excelentíssimas vaidades
            e dos vendidos ( com e sem toga) de sempre




quarta-feira, 11 de setembro de 2013

alma multiplicada





corpo no corpo
(não só os dois casulos
casal de cascas)

coração no coração
alma multiplicada




espíritos ausentes corações mutilados





no homem
               o inconsequente
               filhinho da mamãe
na mulher
              a adolescente
              tardia e tonta
na aparência
                  dois adultos
                  classe média
                  mais de quarenta anos
na prática
              duas crianças
sofrem
          o pior dos encontros
solidão a dois
                 com seus respectivos
espíritos ausentes
                          corações mutilados




manhã sonora





             manhã
                         sonora

                                           
                                              silencio
                                                         noturno

                           palavras
                                        acordam




mergulho na distância





              correndo
                            sem
                                 pressa

                                                 mergulho
                                                            na
                                                              distância




palavras secas ásperas





um rio
         suas lágrimas

chove dentro da alma

mas por fora
                   nesses dias
palavras secas
                     ásperas




segunda-feira, 9 de setembro de 2013

sólido ou solto no ar





o sonho pode ser
                       sólido
ou pode ficar solto
                         no ar
depende da coragem
depende do trapézio
depende da âncora:

nascem e vivem naqueles
que acreditam
em lutar
          sendo a grande vitória
e no amor
             a maior conquista


horário de verão






                                 noite mais tarde                    
                            na sombra dos pássaros
                                    uma arvore






domingo, 8 de setembro de 2013

casamento





                              ficam
                                      nas
                                           minhas

                                                                    as
                                                                       suas
                                                                             palavras



     

janelas no ar





janelas no ar
feitas de vapor e luz
estas não chovem




ofício





                                              construo
                                                            pontes



                      entre
                              silencio
                                         e
                                            palavra




rede e renda nas ruas





lentas               velozes
as conversas no parque
por onde passam

deixam pedaços        formam
rede e renda nas ruas




sólido





caminho da chuva
dentro da rua
e dentro de casa
estados da água :

do sólido
            à alma




sábado, 7 de setembro de 2013

pincel





                                 na rua ainda escura
                     a lua cheia e o ipê florido desenham
                                 as cores da solidão




entre silêncios milhares de imagens





minimo traço
pouquíssimas palavras
versos medidos

tecem entre silêncios
milhares de imagens




substâncias da saudade





das diversas flores
                           murchas
além das pétalas
                        e das lembranças secas
restam apenas os óleos
etéricos           o perfume
substâncias  da  saudade
sementes do afeto
                          que jamais fenece





seu sono sua solidão siamesa





o gato na janela
sonha o voo sem grades
a queda para o alto
o peso da leveza

o gato na janela
é quase peixe no aquário
parado em si mesmo pousa
sua inercia sua preguiça

no batente na rede de segurança
o aeroporto no horizonte
ensina fuga e horários

ao gato na janela
mas a viagem dele é bem outra:
seu sono sua solidão siamesa




sexta-feira, 6 de setembro de 2013

opacas transparente





olhares roçam
a superfície da voz
nos lados da luz

palavras são opacas
silencio transparente




força e fragilidade





camadas de silencio
repousam nas almofadas
minha raiva
                 sua mágoa
força
        e fragilidade
um ausência luminosa
dilata essa conversa :

os dois olhares se calam
e o coração agradece




lucidez madura





escuto canções
povoando o silencio
um sabor doce

crescendo nas palavras
sua lucidez madura




escolhas : destino





                                          escolho
                                                      meu
                                                            corpo

                                                      faço
                                                            minha
                                                                    alma



   

ruas da saudade





esquinas onde
desabrocham lugares :
ruas da saudade




invisíveis olhares





caminho que caminha
onde nos acolhem
invisíveis olhares
na incógnita
                         insólita
solidão do imenso
                                     afeto





tristeza no céu





feições da chuva
e mesmo sem lágrimas
tristeza no céu




lábios e olhos





detalhes da luz
e da voz entrelaçam
lábios e olhos




flauta violão





folhas que fazem
música nas arvores :
flauta            violão




terça-feira, 3 de setembro de 2013

esperar estrelas na rua





esperar estrelas na rua
esperar que a chuva noturna passe
esperar que a aurora se erga
inteira das planícies da distância

esperar que os carros se calem
esperar que as casas adormeçam
esperar que a solidão caminhe
em silencio total pela rua

esperar que a própria rua
se desfaça em sono e saudade
esperar que não venham a neblina

o frio as folhas a brisa pontiaguda
esperar que a luz imóvel faça
as sombras e os medos dançarem





acordes da secura





ouço na pele
acordes da secura
luz contraída

oxigênio escassa
rigidez do carinho