sábado, 28 de junho de 2014

mínima brisa








mínima brisa
onde pulsam olhares
sonhos e senhas








zumbis







janela
        para
  dentro  :
              
         abduzidos
             pelo
                       smartphone






semente não somente







no mínimo
na menor parte

o infinito se desdobra








preliminares









devora-me
          pois
           não
                quero
                te
                   decifrar








vida e morte







cheiros não são flores
vida e morte entrelaçadas
ausência desabrochando

nos salões da alma







alma








mãe
    das
    palavras
               silêncio
                  é
                   alma






dentro e fora








dentro e fora
são a mesma direção
no  caminho da alma
é preciso
ouvir o silêncio
                     junto com as palavras






quinta-feira, 26 de junho de 2014

nos olhares leio









nos olhares leio
a própria alma sobre
e sob os gestos








dádiva








carícias
   se
       soltam :

                       flores
                             do
                                  gesto





arvore








o escorpião morde
a base da coluna
serpente de fogo
criando asas
e parindo a águia
que enfrenta o lobo
para que se liberte
da arvore merlin
e solto na minha alma
ilumine lá fora
os que estão vindo e são

artur e guinevere





contornos do céu







leve a música
sussurra do passado
solidão e adolescência
ternura do pássaro
nos contornos do céu
varandas e luares
noites perfumadas
e o começo de tudo

a imensa sensibilidade





definições









ruídos :
              canções
              pósmodernas

silêncio :
                 música
                 clássica





ladeiras sobem








ladeiras sobem
descê-las       hoje       sempre
é só preguiça







grande haicai







as cores da manhã
desabrocham na luz e na sombra
sobre o silêncio do asfalto
                                      e das arvores
os edifícios acordam
                             barulhentos
lapsos de nuvens
e nenhum vestígio
                         da brisa






             

quarta-feira, 25 de junho de 2014

elogios sem alma









doses
  de
    solidão :
   
           atalhos
            atolam
                     hipocrisia







voo enjaulado








solo que sobe
do exílio sonoro :
voo enjaulado






entre silêncio e pássaros







entre silêncio
e pássaros        sonhos
pessoas        carros 
passam        mas só ficam 

a brisa ligeira
a manhã recém-nascida






terça-feira, 24 de junho de 2014

amanhecer








nenhuma
               nuvem
largo
       horizonte
                          pétalas
                       luminosas







foice adaga e meia taça








azul noturno
logo azul cobalto
vênus segura

a lua crescente        foice
adaga e meia taça







distância e poesia








ainda estão acesas
as luzes e as lembranças
as janelas me olham
                                  iluminadas
as calçadas são só minhas
                                               e a distância

de novo vai virar poesia







domingo, 22 de junho de 2014

investigações sobre a santidade







tecendo olhares
na obscura claridade
não podemos discernir
medidas         medalhas        milagres

só transcendemos o que somos
quando somos além do sonho a soma
do futuro com o passado
no único tempo que é nosso :

o eterno presente
o infinito agora

essa ponte sobre o nada






caminhar ideias







caminhar ideias
e subir no silêncio
metáforas        hiperboles
inteiros fragmentos
do tempo assimetrico

desnudar-se escondendo
a verdade dentro da verdade

caminhar em si mesmo




sexta-feira, 20 de junho de 2014

flores de inverno








flores de inverno
desabrocham na neblina
colorindo o cinza
o sonolento dia
e decretam o provisório

exílio do sol






quinta-feira, 19 de junho de 2014

erros luminosos







trapaças
           e tropeços
o lirismo
           das palavras
fere mais certeiro

erros luminosos
                      são os piores erros








pedra provisória










chuva
       sólida

        tarde
             opaca

                               pedra
                           provisória








terça-feira, 17 de junho de 2014

poesia e música entrelaçadas






violino e flauta
caminham no silêncio
navegam na brisa
sonham na palavra

enquanto o piano espera
enquanto o piano sussurra
passeios       pomares       paisagens

constelação de ilhas onde voam
onde vivem e repousam

poesia e música entrelaçadas






segunda-feira, 16 de junho de 2014

céu amendoado


   





              degusto
                 distâncias
                            céu
                     amendoado

                 esvaziada
              lembrança








                             

vestindo alma







todas as cores
a luz abraça         pele
vestindo alma








domingo, 15 de junho de 2014

amores amadurecem







                    amores
                       amadurecem
                          na
                              pele

                              paixões
                       apressadas







folhas asas







                    silêncio
                          nas
                                folhas
                       asas
                         da
                             noite






sexta-feira, 13 de junho de 2014

olhares acesos







                  janelas
                             são
                                 olhares
                               acesos
                         enquanto
                    amanhece






vida desenhada








                                      luz
                     nas
                            folhas
                                        escuras :
                  
                   vida
                                 desenhada






quinta-feira, 12 de junho de 2014

oferenda







dosar esperas
dividir o encanto
servir os versos







ensolarada







                       mínima
                               música
                 pequena
                          dança
                                            praça
                                        ensolarada






sobre todas as buzinas e bandeiras







sombras da palavra
ruas literárias
a cada passo um poema
esquinas
            faróis
                    conversas
e
 sobre todas as buzinas e bandeiras
                                                     o silêncio







quarta-feira, 11 de junho de 2014

nomes







                         
               nomes
                 florescem
                      no
                          poema :
                                         
                                            jardim
                                         sonoro






    

vidro






um brilho manso
molhando a distância
praia e lembrança
outras ondas na mesma areia
coqueiros e sentimentos
sobre a solidão das ideias
todos os caminhos me levam
aonde me livro
do que é vidro

e não é verdade







terça-feira, 10 de junho de 2014

tordesilhas doentes






é sempre um traço
um terço
                 um taco
toscos tratados
capitanias do afeto
                                  hereditárias
tordesilhas doentes
ilhas onde o coração
naufraga e se esconde

sem terra ou ternura à vista






mínimas gotas







mínimas gotas
onde ando      escura
a manhã nasce







segunda-feira, 9 de junho de 2014

catavento







                    espetar
                    nos
                          sonhos
                                       
                                           eixo
                                             da
                                       realidade






sangue suor e silêncio





falo só do que vivo e sigo
vivendo em tudo que falo
não finjo
                a dor que sinto
nem forjo
                  a alegria concreta
do sorriso à lágrima
da solidão ao orgasmo
dos momentos
                           em que sou sublime
àqueles
              em que sou chato
é sempre meu sangue    
meu suor
e meu silêncio
que escorrem                        

em cada um dos meus versos




doce fumaça






incensa vozes
perfuma o silêncio
doce fumaça






domingo, 8 de junho de 2014

(substância noturna)





canções são feitas de luz
e silêncio       mas também
cantam na sombra
                                 as palavras
passos e pulsos
                            (substância noturna)
pousam na tarde
                               desfalecida
caminho devagar
entre estas asas
entre estas almas
que estão dormindo
                                    todas elas

passam a viver no meu poema





lindas palavras nuas





algumas brisas
o silêncio sussurra
outras acendem

caminhos no chão       feixe
de palavras nuas       lindas




nove ramos oito rumos






um lugar sagrado
o tempo de ouvir
as sementes luminosas
na arvore do ser
nove ramos
oito rumos

caminhando na verdade vivamente





p.s. : nove ramos = cabala e eneagrama
        oito   rumos = senda óctupla do budismo
        último verso = o próprio cristo(caminho verdade e vida)

azul no azul







azul no azul
o domingo sem pressa
germina sombras

cultiva o silêncio
acalma minhas feras







varandas







                                             varandas
                                                varando
                                                            o
                                                      espaço :
   
                                                                      sombras
                                                                    florescendo





sábado, 7 de junho de 2014

mordem a luz






lábios às vezes
removem voz e beijo
e mordem a luz





todo caminho





todo caminho é um novelo
onde se entrelaçam
viagens
             lembranças
                                  propósito
todo caminho é sagrado
todo caminho é secreto
todo caminho é uma via-crúcis
todo caminha é um orgasmo
todo caminho caminha em cada caminhante
e o coração é a pátria
onde todos eles se desatam e se abraçam

em amorosa liberdade





desarvore






                         na
                         ponta
                               do
                                   gesto

                                    pequenas
                                           flores




veloz e lenta






na luz molhada
é veloz a ausência
saudade lenta





autorretrato bastante honesto






melhor é o meu silêncio
ou a minha risada ?
                          na dúvida
prefiro circular
                   da ternura à teimosia
                   da fúria até a carícia
                   da disciplina à poesia







sexta-feira, 6 de junho de 2014

manhã lavada







mínima chuva
máxima claridade
manhã lavada






floresce manhã







sonhos e folhas
murcham no asfalto        já
floresce manhã





kanjis







madeira no céu
kanjis do i ching        amor
vivo no braço






esta manhã





esta manhã
tem cheiro de fumaça
ruído de engrenagem
indícios de saudade
luzes dentro da janela
um brilho cinza

esta manhã
de muitos carros
poucos pássaros
novas greves
promete movimento
e nenhum silêncio

e se declara
                   nos seus traços
leve
      inquieta
                  docemente áspera




aquoso e musical





a música goteja
na chuva        mágica
ressoa na fonte       cresce
na varanda
                junto com a flauta

escolho outras escolhas
dentro do presente e do passado
e recebo
             o silêncio do silêncio
nesta e em outras salas
onde o tempo se desdobra
infinitamente doce
aquoso
           e musical




quinta-feira, 5 de junho de 2014

apocalipse






                              delfos
                                  definha
                                       falsos
                                profetas
                                 infestam
                              epifanias




dupla face







                                       espelhos
                                          espalham
                                                    os
                                                       foras
                                                               para
                                               dentro









fasciíte plantar







                                  passos
                                                        fasceíte
                                                        plantar
                             acariciam
                                  o
                                        chão








                   


gata







                        curvas
                               a(s)cendem

                             na
                                águia
                              alguma  
                                       gata







lua (bem) nova







gosto de ouvir
o silêncio fluindo
na lua (bem) nova







estilo







                             não
                                   rimo
                      nem
                            remo
                                         armo
                                       silêncios






quarta-feira, 4 de junho de 2014

avatar







buzinas beijam a claridade
um desconforto que estremece
as flores pintadas na parede

o real rói as unhas
que crescem nas costas e nas crostas
dentro da carícia
totalmente abstrata

sou seu avatar e você
é a minha pandora enfim
é tudo lenda uma fábula

onde o bruxo
se apaixona pela fada
e fica

aprisionado dentro da arvore






terça-feira, 3 de junho de 2014

gratidão









nem sempre espero
luares
           rede
                    gratidão
ando entre nomes
caçando-me
espelhos que se abrem
janelas dentro das grades
caminhos na própria face
armadilhas que adoçam
desvios
              encruzilhada
                                   atalhos

onde os sonhos tropeçam





alpendre








                                             colho
                                          lugares

                                                     alpendre

                                   dentro
                                   da
                                       saudade






perfumes







claro-escuro
onde perfumes pulsam:
rua dos olhares






anima mundi







a palavra me pensa
impressa
              imprensa
noticias da alma
    -  anima  mundi  -
na alma dessas letras

azuis no azul completo





segunda-feira, 2 de junho de 2014

ilhas






ilhas me atravessam
lugares e lembranças
nuvens de palavra
eloquente silêncio
traduzem poesia

nos jardins
                da minha alma






academias





                                       academias
                                             levam
                                              e
                                             lavam
                                                      preguiças
                                                   exercitadas

               







luz ressecada







a chuva no céu
agasalha e limpa
luz ressecada





domingo, 1 de junho de 2014

luz na claridade






doces mentiras
quatro compromissos         luz
na claridade





olhares verdes







gestos na brisa
folhas      olhares verdes
outono leve





um começo







                        flores
                           de
                              pedra

                   espinhos
                           de
                              orvalho





no parque






flutuo entre vozes
lembranças luminosas
música na pele
na solidão de todos
se revelam

todos os encontros






grupoema








hoje sou simplesmente espelho
superfície de água
e tento capturar os rostos
sorrisos        gestos        olhares
que apenas reflito sem compartilhar

primeiro foi a  lua
de um sorriso branco amigo
de suave malícia e gestos
de caminhar ao lado ternamente
adenauer

depois foi aquele menino
já tão sofrido        por isso mesmo
velho
quase irmão
ou filho
de quem falamos       reclamamos
discutimos       criticamos       ensinamos
e aprendemos tanto
naldo

e o outro tímido
esquivo
de sorriso triste
e olhar bonito
amanhecendo em poesia
de protesto e carícia
amarildo

e o escorpião venenoso doce
sempre ativo e pronto
para se ferir       ferindo
tão orgulhoso      frágil
tão amoroso quanto o menino
que não deixaram que ele fosse
péricles

e aquele de quem sou o oposto
pois é o sentido e a certeza
do próximo passo ser
o porto seguro que lhe falta
uma ternura justa e versos
palavras de faca para o que não é
claridade e símbolo
nestor

eis que que chega um trem
que não corre nos trilhos      nem paralelo
à cidade e à selva        invade
territórios       florestas      ruas       casas
e transforma a vida
em sentimento vivo       quase
um deus menino
nilo
 
ela é como uma casa
se arrumando       como um convite 
dito com os olhos       sorrindo
com outras palavras     
meiga         mãe       pantera
meiry

dirão com que fosse o outro aquele ausente
sério       de muitas línguas     pintor
de vozes     silêncios     enigma      imagens
e pulsações novas da palavra
em coração aberto         mas escondido
paulo

ele é o que o momento traz
à praia dos seus gestos       diferente
de sempre       e igual
ao que vai ser ontem       ou tendo sido
amanhã       não pode deixar de ser
valente júnior

e quem me foi apresentada antes
de ver quão frágil é
seu rosto sob o sorriso e a pulsão
do seu sexo disposto a dominar e ferir
para não ser mais sacrificada no plural
suely

e hoje onde estou
aqui longe daqueles tão perto
que escreveram seus nomes em mim
no meu corpo
exceto um poema triste
que fizemos       nem sabíamos
e vinha assinado saudade

como então reencontrá-los
se foi em mim que se perderam
e nunca estarão mortos
nesse amor com que os tenho
e por onde escapam
da minha mão carinhosa








                                                              salvador,1985